Referência, Hospital Jean Bitar promove capacitação para acolhimento humanizado a pacientes transgêneros
22 de setembro de 2020
HRPL reestrutura Comissão de Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
24 de setembro de 2020

CIIR faz parte de programa de assistência a doenças ortopédicas na infância juntamente com hospital público do Pará

(23/9/2020) – O governo do Pará lançou nesta terça-feira, 21, o programa ‘Doenças Ortopédicas da Infância’, em parceria com o Centro Integrado de Inclusão e Reabilitação (CIIR), instalado em Belém (PA), e o Hospital Abelardo Santos (da rede pública estadual, não administrado pelo INDSH). O objetivo é o atendimento a crianças portadoras de deformidades ortopédicas. O CIIR será responsável pelo atendimento ambulatorial e o hospital pelas pelas cirurgias de baixa e alta complexidade.

“A prestação do serviço ortopédico infantil passa a estar na agenda do Estado e nós esperamos que essa agenda possa rapidamente garantir a fluidez e que possamos o quanto antes eliminar a fila deste tratamento”, disse o governador Helder Barbalho, no lançamento do programa que marcou o Dia Nacional de Luta Pela Pessoa com Deficiência (21).

O programa irá atender casos de patologias e deformidades de caráter eletivo, ou seja, que não sejam de urgência ou emergência. A expectativa é que sejam realizadas, em média, 30 cirurgias por mês, número que pode aumentar, pois já existe demanda de aproximadamente 200 crianças aguardando consultas.

“É uma demanda que estava reprimida no Estado”, explicou o secretário de Saúde do estado Rômulo Rodovalho. “Estávamos há mais de 15 anos sem possibilidade de prestar esse serviço à sociedade”.

“O CIIR vai atuar tanto no atendimento pré-operatório no atendimento inicial, dos exames necessários, quanto no pós-operatório, no acompanhamento desse paciente” , esclareceu Paola Reis, Diretora Executiva do CIIR.  

Como nem todos os casos de doenças ortopédicas são cirúrgicos, caso haja encaminhamento médico, o paciente passará pelo procedimento no Hospital Abelardo Santos. “A equipe que atenderá o paciente é a mesma que vai atende-lo ambulatorialmente no CIIR. Nós garantimos dessa forma para a criança e a família o acompanhamento com o profissional que ela já tem confiança e vínculo e isso vai ajudar a evolução pós-cirúrgica do paciente”, afirmou Alex Cruz, diretor geral do Hospital Abelardo Santos.

(Informações e fotos Ag. Pará).

 

Os comentários estão encerrados.