HJB alerta para tentativas de extorsão contra familiares de pacientes e registra boletim de ocorrência

HJB alerta para tentativas de extorsão contra familiares de pacientes e registra boletim de ocorrência

(São Paulo – 20/6/2017) – O Hospital Jean Bitar, em Belém (PA), administrado pelo INDSH desde 2016, está alertando para tentativas de extorsão contra familiares de pacientes atendidos na unidade.

Segundo a direção do hospital, só na semana passada foram registrados três casos com características semelhantes. O golpista liga para um familiar, informa o nome do paciente, do médico, e solicita o depósito para a realização de exames. Um boletim de ocorrência foi registrado pela direção do hospital. A unidade diz que desconhece como os criminosos teriam acesso a informações e dados clínicos de pacientes internados.

‘Golpe do hospital’

Criminosos estão se aproveitando da fragilidade e do drama vivido por familiares e amigos de pacientes internados em hospitais públicos em todo o País para conseguir dinheiro fácil, michael kors apple watch band activity tracker no chamado “Golpe do hospital”. Aqui no Pará, algumas ocorrências já foram registradas pela Polícia Civil, que já investiga os casos. Somente neste início de ano, a Divisão de Investigações e Operações Especiais (DIOE) já recebeu cerca de dez denúncias de estelionato com estas características.

Segundo o delegado Neyvaldo Silva, diretor da DIOE, a abordagem é feita sempre apresentando alguma vantagem ou necessidade urgente que demanda o repasse de valores para a sua realização, utilizando para isso informações sobre o estado de saúde dos pacientes. “Este tipo de criminoso se aproveita do momento delicado que a pessoa passa, cita nomes e a urgência de algum procedimento. Na agonia, moncler jacket acorus 2 os parentes acabam fazendo o pagamento e só depois se dão conta de que foram enganados”, afirmou o delegado.

O policial alerta, ainda, que os hospitais públicos do Estado fazem parte do Sistema Único de Saúde (SUS) e os serviços prestados são totalmente gratuitos. Não há qualquer tipo de cobrança, pois todos os procedimentos são por conta do Estado ou do município. “Se houver alguma abordagem ou pedido de valores para a realização de atendimento ou exames complementares a pessoa tem que desconfiar sempre”, enfatizou o delegado Neyvaldo Silva.

A orientação é procurar imediatamente o médico que está atendendo o paciente ou a direção do hospital para verificar a veracidade da informação e a delegacia de polícia mais próxima para fazer a denúncia, mesmo quando não houver o pagamento da quantia solicitada. A informação também pode ser repassada por meio do serviço 181, Disque-Denúncia. moncler armoise albizia A ligação é sigilosa e anônima.

“Só assim conseguiremos identificar se a informação partiu de pessoas de dentro ou de fora do hospital, prender os envolvidos e coibir esse e outros tipos de golpes contra os usuários do SUS”, frisou o policial. O mesmo procedimento de verificação é válido para atendimento em hospitais particulares. O crime de estelionato prevê pena de 1 a 5 anos de reclusão e a punição é aplicada em dobro se o delito for cometido contra idoso.

Ainda segundo o diretor da Dioe, os golpistas podem realizar as ligações de fora do Estado, inclusive de dentro de cadeias, utilizando contas de “laranjas”– pessoas que emprestam seus dados para intermediar transações ilegais – para o depósito de valores. A Polícia Civil do Pará já conseguiu inclusive prender uma quadrilha do Mato Grosso que agia aqui no Estado praticando esse tipo de crime.

* G1 /  Ascom Jean Bitar – Com colaboração de Vera Rojas.

Por Lidiane Sousa. moncler outlet polo 2