HRPM promove treinamento para melhoria de síndrome de desconforto respiratório na covid
26 de janeiro de 2021
Um dia após inaugurada, enfermaria de campanha anexa ao Hospital Delphina Aziz registra primeira alta
29 de janeiro de 2021

Enfermaria de campanha anexa ao Hospital Delphina Aziz começa a funcionar para pacientes em fase de recuperação da Covid

(28/1/2021) – Na manhã desta quarta-feira (27), o governador do Amazonas Wilson Lima acompanhou junto com o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, o início dos atendimentos na enfermaria de campanha montada pelo Exército na área externa do Hospital Delphina Aziz. A montagem da estrutura iniciou no dia 16 de janeiro, vai receber pacientes que estão finalizando o tratamento da doença e, começou a operar, inicialmente, com 14 leitos clínicos de um total de 57.

“Aqui iniciamos o trabalho para pacientes que já passaram pela fase mais difícil da covid. Nesse momento, há 14 pacientes que estão internados nessa enfermaria de campanha e que estão também fazendo fisioterapia, que é um processo de recuperação para que, em seguida, eles possam ter alta. À medida que eles ocupam o leito da enfermaria, eles desocupam um leito no Hospital Delphina Aziz e permitem que mais pessoas sejam referenciadas para esta unidade”, ressaltou Lima.

Para entrar em operação, a enfermaria de campanha recebeu duas usinas independentes, das sete que foram doadas pelo Ministério da Saúde (MS). As duas usinas instaladas na unidade têm capacidade de produzir 26m³ de oxigênio por hora, o que é suficiente para atender os leitos clínicos lá instalados.

Lima ressaltou ainda que o Governo estuda abertura de mais leitos na área externa e dentro do Delphina. “Estamos fazendo alguns estudos para que possamos abrir novas enfermarias anexadas ao Delphina Aziz e, também, a gente continua naquele processo de abertura de alas para pacientes no sexto andar do hospital, uma área que funcionava um almoxarifado e que estamos retirando todo esse material para adaptar para uma enfermaria”, detalhou.
O secretário de Saúde do Amazonas, Marcellus Campelo, explicou que a enfermaria de campanha vai reduzir a quantidade de pacientes dentro da unidade hospitalar, uma vez que, transferindo quadros de baixa complexidade, haverá a oferta de mais leitos para pacientes referenciados das unidades portas de entrada.

“Nós vamos registrar com a enfermaria o descalonamento de pacientes dentro do próprio Delphina. A enfermaria é uma porta de saída de alta, ela não recebe paciente que está contaminado agora. Ele tratou no Delphina e desce para passar seus últimos dias ali de internação, para depois receber alta. Nesses dias, que variam de dois a três dias de internação, ele vai, inclusive, começar o seu processo de fisioterapia aqui no hospital”, disse o secretário.

Desde abril de 2020, no primeiro pico da pandemia, os seis andares do Delphina Aziz foram colocados em funcionamento ampliando o número de leitos gerais, de 132 para 384. A quantidade de leitos de UTI saltou de 50 para 150, triplicando a capacidade. Com os novos leitos em enfermaria de campanha, entregues nesta quarta-feira, a unidade passa a contar com 434 leitos exclusivos para a Covid-19. O Instituto de Desenvolvimento Social e Humano que faz a gestão assistencial do hospital desde abril de 2019, tem desde o início da pandemia, implantado todos os protocolos assistenciais específicos para o enfrentamento da doença. Desde 2014, quando foi inaugurado, o hospital tinha apenas os três primeiros andares ativados.

O diretor técnico do Complexo Hospitalar Zona Norte, Leandro Moura, explicou que a equipe assistencial do Delphina Aziz escalada para atendimento na enfermaria de campanha compreende várias especialidades. Serão em torno de 60 profissionais, somando médicos, enfermeiros, nutricionistas, serviço social, fisioterapeutas e dentistas. O objetivo é dar o atendimento necessário para que o paciente atinja a recuperação o mais rápido possível.
“Com isso vamos estar ofertando um serviço que, até então, dentro do município de Manaus e no Amazonas, com esse grau de complexidade, não existia ainda. Dessa forma vamos estar dando um serviço de qualidade para o paciente, acelerando o processo de cura para ele retornar à sociedade e à família com a situação de recuperado e sem riscos de voltar ao hospital por complicações da Covid-19”, explicou Leandro Moura.

(Informações: Assessoria de Imprensa).

Os comentários estão encerrados.