Hospital Delphina Aziz, em Manaus (AM), cria material educativo para conscientizar sobre Obesidade Mórbida Infantil
31 de maio de 2019
‘Dia de Herói’ anima o cotidiano no Centro de Inclusão e Reabilitação, em Belém (PA)
5 de junho de 2019

Médico fala sobre cuidados paliativos a colaboradores de Hospital N. Srª da Graça, em São Francisco do Sul (SC)

(4/6/2019) – Desmistificar o significado de cuidados paliativos e levar a pacientes portadores de doenças terminais e seus familiares uma nova perspectiva de tratamento. Essa é a proposta do médico plantonista do Hospital e Maternidade Nossa Senhora da Graça, em São Francisco do Sul (SC), Rony Augusto de Oliveira, que proferiu palestra sobre Cuidados Paliativos na última quinta-feira (30), aos colaboradores da unidade administrada pelo Instituto Nacional de Desenvolvimento Social e Humano (INDSH).

De acordo com Oliveira, o objetivo foi mostrar que o tratamento paliativo é uma forma de melhorar a qualidade de vida de doentes terminais, sejam jovens ou adultos, ampliando o conforto e diminuindo a dor. Para isso, o primeiro passo é treinar médicos e enfermeiros para fazer o atendimento.

Aos colaboradores, mostrou o vídeo de outra palestrante, a psicóloga norte-americana Kathy Hull, que fundou um centro hospitalar para crianças com doenças terminais, o George Mark Children’s House, em 2004, nos Estados Unidos. Durante muitos anos, Kathy trabalhou como psicóloga de unidades pediátricas de cuidados intensivos e assistiu a inúmeras mortes indignas de crianças, invariavelmente ligadas a aparelhos, em salas de hospitais, com familiares sem ter a chance de uma despedida. Por esse motivo, idealizou a criação de um centro que pudesse dar mais conforto a pacientes terminais, oportunizando a eles uma relação mais intensa e proveitosa com os familiares no fim de suas vidas.

“Quando a gente descobre que o paciente tem uma doença terminal e incurável, precisamos fazer a melhor abordagem possível, falar com muito cuidado e mostrar as alternativas de tratamento. Se fizermos isso com clareza, o paciente terá conhecimento do que vai enfrentar e melhores condições para decidir se quer ou não o tratamento paliativo”, ressaltou.

Jean Balbinotti / Assessor de imprensa.

Os comentários estão encerrados.